Pular para o conteúdo
Início » Programa de residência técnica intensifica benefícios para o meio ambiente do Paraná

Programa de residência técnica intensifica benefícios para o meio ambiente do Paraná

O programa é uma política pública do Governo do Estado criada há mais de uma década

O programa de Residência Técnica em Gestão e Engenharia Ambiental (Restec) do Governo do Paraná proporcionou um encontro inusitado entre a engenheira florestal Vitória Fonseca, 25 anos, e o Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest). A oportunidade de trabalho logo após concluir a faculdade fez com que a amapaense trocasse o Macapá por Curitiba, um percurso de 3.825 quilômetros.

Ousadia e persistência que servem de inspiração para comemorar esse 12 de julho, Dia do Engenheiro Florestal, umas das carreiras que fazem do Paraná referência para o País em sustentabilidade e na defesa do meio ambiente. “Sou muito grata ao IAT”, diz ela.

O debute profissional de Vitória se tornou viável com o suporte do Estado, dentro de uma política de incentivo à educação. Coordenado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e executado em parceria com as universidades estaduais, órgãos e autarquias da Administração Direta, o Restec disponibilizou 2.654 vagas para residentes entre 2019 e 2022, em 15 diferentes programas, com investimento público de R$ 134,4 milhões. Desses, 248 profissionais estão desde maio trabalhando nos 21 escritórios regionais do IAT espalhados pelo Estado.

Vitória, por exemplo, atua como residente técnica no setor de Compensação Ambiental na Gerência de Áreas Protegidas (Geap) do órgão ambiental. Ela é uma das responsáveis pelo balanço dos impactos e pelos cálculos de compensação que empreendimentos geram dentro das Unidades de Conservação (UCs). “Todo dia me conecto com pessoas de diferentes origens e formações. Tenho, assim, a oportunidade de aprender com a equipe, de me envolver com o meio ambiente e seguir os princípios do meu avô, para dar orgulho à minha família”, destaca.

O avô, Dorival Andrade, é personagem central na escolha da jovem pelos caminhos florestais. Desde criança ela escuta, com atenção e encantamento, as histórias das passagens do seu Andrade por florestas e comunidades do entorno do Rio Oiapoque (AP).

“Sempre ficava admirada ao vê-lo no trabalho. Ele me deu uma perspectiva de atuação do engenheiro florestal como um mediador entre a biodiversidade, as comunidades que vivem nela e a população em geral”, recorda.

TROCA DE EXPERIÊNCIA – Para o diretor-presidente do IAT, Everton Souza, essa troca entre profissionais e residentes é cercada de benefícios mútuos, com objetivo de elevar a excelência do trabalho desenvolvido pelo instituto. “Os residentes já vêm bem instruídos pela graduação e, para entrar no IAT, passam por um processo seletivo. A tendência é que aprendam muito mais para contribuir no andamento, eficiência e agilidade nas decisões que tomamos para realizar uma boa gestão do meio ambiente do Paraná”, afirma.

“O recém-formado tem a oportunidade de estar no mundo do trabalho, conhecendo o dia a dia da sua profissão. E para o IAT é ótimo porque nós vamos ter jovens com muito potencial de trabalho e ideias inovadoras, com vontade de fazer a diferença, nos auxiliando no dia a dia. Essa parceria é um exemplo para o Brasil”, acrescenta o diretor Administrativo e Financeiro do IAT, Éder Rogério Stela.

RESTEC – O programa é uma política pública do Governo do Estado criada há mais de uma década. Além do benefício da bolsa-auxílio mensal por dois anos, após concluírem o período os residentes saem com o título de especialistas. Essa é a quinta edição com a temática da Engenharia e Gestão Ambiental, promovida pelo IAT com parceria com a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Para a coordenadora pedagógica do projeto, Ana Cláudia Barana, a Restec surgiu de demandas de especialização dos recém-graduados. “É um prazer imenso ouvir depoimentos como o da Vitória. Nos mostra o quanto estamos prosperando em nossa missão de capacitar e possibilitar aos jovens recém-formados o conhecimento na gestão pública”, ressalta a professora da UEPG.

Neste ano, o programa contemplou vagas para administradores, analistas de sistemas, arquitetos, advogados, biólogos, contadores, agrônomos, engenheiros, jornalistas, geólogos, veterinários e turismólogos, entre outros profissionais já integrados à gestão pública paranaense.

Foto: Érica Fernanda/IAT


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/jornaldoonibusdecuritiba/www/wp-includes/functions.php on line 5373

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/jornaldoonibusdecuritiba/www/wp-includes/functions.php on line 5373